O período da gestação é uma fase de muitas mudanças para toda mulher, essas alterações são físicas e psicológicas. As mudanças físicas do corpo que ocorrem de maneira rápida podem trazer muitos conflitos psicológicos, onde várias mulheres se sentem incomodadas e desconfortáveis, o que resulta em grande insatisfação com o próprio corpo e com a nova vida que está sendo desenvolvida em seu ventre, assim tendo grandes chances de gerar a depressão pós-parto. Vejam a seguir sobre o tratamento e mais informações.

Os enjôos, dores nas costas a longo prazo, sensibilidade dos seios, ganho de peso, desejos fora de hora e aumento do apetite são apenas alguns dos sintomas que a mulher passa a ter nesse período. Contudo, há uma nova fase da vida se iniciando, a responsabilidade de ser mãe é muito grande e nem sempre essa mulher está preparada para isso. Com tantas mudanças internas e externas, obviamente há os conflitos.

 

 

Além de todas essas mudanças ocorrendo no corpo e na vida dessa mãe, após o parto há alterações dos hormônios estrógeno e progesterona (hormônios femininos) que atuam no ciclo menstrual da mulher, fato esse que não ocorre durante os nove meses de gravidez. Dessa forma, depois do parto, esses hormônios voltam a atuar no corpo retornando o ciclo menstrual. A variação desses hormônios causa alteração do metabolismo e principalmente do humor, assim gerando a depressão pós-parto que consiste basicamente na rejeição da mãe com o próprio bebê devido aos sentimentos conflituosos.

É muito comum as mulheres sofrerem essa depressão pós-parto. Na explicação científica que envolve toda a biologia, a alteração dos hormônios esclarece o motivo dessa fase que pode acontecer em algumas mulheres, não necessariamente em todas. Além disso, há o relato dos psicólogos que contribuem para explicar as causas dessa depressão. O mais indicado para as mães que sofrem esse tipo de depressão é que comecem um tratamento psicológico até que os níveis de hormônios voltem ao normal.